Construindo sonhos e negócios: a jornada de Ricardo Pitchon no universo dos imóveis de luxo em BH

Montagem com imóveis de luxo
Imóveis de luxo são o grande negócio da Pitchon Imóveis | Reprodução Site Pitchon Imóveis

Foi em meados dos anos 1980 que o empresário mineiro Ricardo Pitchon vislumbrou as primeiras oportunidades no mercado imobiliário de luxo belo-horizontino. De lá para cá, a área se transformou, ele chegou a atuar em outros segmentos dentro do setor, mas seu know-how e expertise o firmaram como o nome de referência quando o assunto é a categoria premium de imóveis, sejam eles residenciais ou comerciais, na Grande Belo Horizonte.

Com 56 anos de vida e 38 de atuação na área não era por menos. “São muitos anos de dedicação, estudo e conhecimento sobre o mercado”, diz.

Tudo começou quando, aos 17 anos, resolveu empreender com um primo e, juntos, fundaram a empresa Gramo Empreendimentos para vender apartamentos na planta para conhecidos e amigos. Ele permaneceu no negócio até os 25 anos. Depois, recebeu de José Roichman o convite para atuar ao seu lado. O destaque na corretagem foi tão grande que pouco tempo depois, Roichman propôs sociedade ao jovem egresso na área. Nasceu então, a Pactual Negócios Imobiliários.

“Isso foi em 1996. Começamos com uma salinha na Savassi e fomos crescendo. A atuação era 100% minha. Depois passamos para duas, três salas, até que chegamos a ter uma casa na rua Ceará. Cinco anos depois, ele faleceu e eu comprei a parte da família e segui com o negócio sozinho. Foi uma fase de muito crescimento, me destaquei bastante no mercado”, recorda.

A virada de chave da carreira de Ricardo Pitchon

Em 2005 o negócio foi transferido para um imóvel ainda maior e dois anos depois ocorreu o que Pitchon define como “virada de chave”: um telefonema de um empresário do Rio de Janeiro o convidando para fazer parte de um projeto de uma corretora nacional com capital aberto na Bolsa de Valores.

“Avaliei, fiz o negócio e ingressei na Brasil Brokers – que existe até hoje. Passei então, a ser executivo dessa companhia. Por questões contratuais, tive que aprender a mexer com tudo. Tinha os imóveis de luxo, mas também os populares, carteira do Minha Casa, Minha Vida. Eram mais de 400 corretores. Mal conhecia meus funcionários”, recorda.

Passados os oito anos previstos, o empresário optou por não renovar com a Brasil Brokers começou a vislumbrar um novo negócio próprio. Desta vez, segundo ele, tão mais próxima de seu perfil, ao ponto de carregar seu sobrenome na marca. Em 2016, nasceu então, a Pitchon Imóveis.

Pitchon Imóveis trabalha com imóveis de luxo em BH e Nova Lima

Desde então, são oito anos de atuação, participação no lançamento de 150 edifícios em Belo Horizonte, cerca de 130 apartamentos vendidos apenas no ano passado e um Valor Geral de Vendas (VGV) de R$ 400 milhões em 2023. “Nesses anos todos já acumulamos 500% de crescimento”, revela.

Assim, hoje não há quem fale de imóvel de luxo em Belo Horizonte e Nova Lima, que não consulte sua carteira ou solicite uma consultoria. Uma rápida consulta no site da imobiliária e é possível se deslumbrar com projeções de imóveis capazes de fazer qualquer um sonhar. Para isso, trabalha em parceria com construtoras como Castor, Patrimar, Somattos, EPO, Concreto, Capanema e outras.

“Na verdade, o mercado mudou bastante. Com a pandemia e até mesmo com o advento das redes sociais, as pessoas passaram a investir mais em seu bem-estar, em residências completas. Hoje existe uma necessidade de provar nas redes sociais que você está bem e vive bem. Além disso, ao contrário da geração dos nossos pais, hoje a preocupação número 1 não é juntar dinheiro. É desfrutar das conquistas de nossos esforços”, explica.

Grupo de pessoas posando para foto
Há oito anos, Ricardo Pitchon lidera uma equipe de 50 corretores na imobiliária que carrega seu sobrenome na marca
Foto Divulgação Pitchon Imóveis

Leia Mais sobre outras empresas mineiras:

A receita do sucesso

A receita para chegar até aqui? Segundo ele próprio, uma carreira com foco, sem arestas, sem prejuízos aos clientes. “Todos os empreendimentos que entrei foram entregues. Também sempre fui muito seletivo. Se um construtor me procura, primeiro eu analiso se está dentro do nosso perfil, avalio se ele tem dinheiro para construir independentemente das vendas e só depois eu entro. E uma certa estrela brilhando e a mão de Deus”, orgulha-se.

Além disso, segundo o empresário, ele soube aproveitar as oportunidades que surgiram em sua vida profissional. “Sempre coloquei na cabeça que eu tinha que ser um corretor diferente dos outros e não atuaria como garoto de recado para levar e receber proposta. Também nunca quis forçar venda, sempre quis agregar valor ao meu serviço. Como? Dando assessoria aos construtores. E isso eu faço até hoje. Auxilio na escolha do terreno, no desenvolvimento do projeto. Eu já entro na formatação do produto. Tudo isso com muita inteligência emocional. Assim, a chance de dar certo é muito maior”, reforça.

Homem em frente ao letreiro de uma empresa de imóveis de luxo
“Todos os empreendimentos que entrei foram entregues” – orgulha-se Ricardo Pitchon

O que mudou no mercado de imóveis de luxo de BH

Por fim, Pitchon faz uma análise sobre o mercado imobiliário de luxo em Belo Horizonte. Conforme ele, o segmento mudou muito nos últimos anos, especialmente com o advento dos bairros nobres de Nova de Lima. Isso porque “a capital mineira possui grande limitação de terrenos, um plano diretor muito restritivo e IPTU caro”. E, atravessando a rua, já era possível chegar a uma cidade com o cenário ideal: terrenos mais baratos e possibilidade de construir condomínios estilo resort com áreas de lazer completas e tantos outros serviços agregados.

“E isso ainda casou com a questão de as pessoas estarem priorizando mais seu bem-estar. Há 20 anos, elas queriam um apartamento por andar em uma torre. Hoje isso não basta, pois nestes empreendimentos, a área de lazer é tímida e o condomínio é caríssimo. Elas preferem um complexo estilo resort: com atividades para as crianças, diversos equipamentos de lazer, adega, espaço gourmet, kids, academias. Foram que além de significar a realização de um sonho, esse tipo de imóvel é também um ótimo investimento”, conclui.

Leia também:

MP denuncia prefeito acusado de beneficiar empresa em contratos de R$ 43 milhões

Federação PT-PV-PCdoB adia prazo para tomar decisão sobre candidaturas em grandes cidades

Movimentos sociais vão entregar a vereadores PL por tarifa zero nos ônibus em BH

Acompanhe O Fator no Instagram

Veja os Stories em @OFatorOficial. Acesse