‘Viado’ e ‘bicha’: prefeito que retirou pré-candidatura relata ataques homofóbicos 

Xingamentos e fake news são rotina na vida de Rafael Freire, que pode voltar atrás caso medidas sejam tomadas
Rafael Freire (PSB) foi eleito com 43% dos votos em 2020. Foto: Divulgação.

O prefeito de Alpinópolis, Rafael Freire (PSB), retirou sua pré-candidatura à reeleição após sofrer consecutivos ataques homofóbicos. Favorito no pleito, o político disse que “chegou no seu limite”.

A O Fator, ele relatou os episódios de terror que envolvem xingamentos, fake news, agressões e outros crimes. 

Terror

“Viado” e “bicha” são alguns dos termos utilizados pelos criminosos. As fake news também fazem parte da rotina do prefeito.

“Soltaram uma música atacando minha sexualidade e dizendo que eu estava tendo um caso com um rapaz. (…) Depois, pegaram a foto de alguém e jogaram nos grupos de WhatsApp como se fosse ele”, comenta Rafael.

A mentira causou enorme desconforto para o prefeito, já que o falso affair é casado e não tem nenhuma ligação com Rafael. 

Recorrente

Os episódios, infelizmente, são recorrentes. Rafael comenta que criminosos já atacaram a casa de seus pais com insultos homofóbicos. Além disso, vereadores usam da sexualidade do prefeito para atacar sua gestão. 

“Não é a primeira vez. Durante quatro anos eu tentei combater a homofobia e cobrei das autoridades para frear a violência política. Agora eu cheguei no meu limite”, explica. 

Mudança

Rafael era cotado para ser reeleito com folga. Hoje, recebeu enorme manifestação de carinho nas redes sociais e presencialmente.

“Várias pessoas foram na porta da prefeitura e pediram para eu refletir. Vieram os prefeitos de Passos e São Sebastião do Paraíso também. Eles entregaram um manifesto ao chefe da Polícia Civil para cobrar a apuração dos crimes”, detalha.

O prefeito admite que pode mudar de ideia se algo for feito.

“A minha retomada vai depender muito se a violência política e as fake news forem combatidas pelas autoridades”, acrescenta.

Batalha

Por fim, Rafael relembrou sua trajetória política. Disse que construiu uma candidatura independente, sem padrinhos, e que decidiu adotar uma postura de combate à homofobia para valorizar as minorias. 

“Eu não sou o único gay da minha cidade, mas infelizmente muitos ainda têm medo de revelarem quem realmente são. Eu estou aqui para mudar isso”, finaliza.

Leia também:

Psol aciona Justiça por suspensão da lei que criou ‘censo do aborto’ em BH

MP denuncia famílias que adotaram homeschooling em cidade mineira

Justiça vê irregularidade em nomeação no interior de Minas e cita deputado em sentença

Acompanhe O Fator no Instagram

Veja os Stories em @OFatorOficial. Acesse