Galo, PT, México e Goiânia: as fontes do meu mau humor

Vamos combinar? Não dá para seguirmos tão incompetentes e atrasados assim
vista panoramica de belo horizonte
BH: uma cidade que parou no tempo e no espaço, infelizmente (Foto: PBH/Breno Pataro)

Duas notícias recentes me chamaram a atenção e me deixaram muito, mas muito irritado – o que não é novidade alguma, eu sei -, e mostram como escolhas políticas equivocadas, ou melhor, ideologias equivocadas ancoram um país e uma cidade no mais lamentável atraso e subdesenvolvimento.

O México tomou o lugar da toda-poderosa China e tornou-se o maior parceiro comercial dos Estados Unidos. O mérito do governo mexicano? Não atrapalhar demais. O resto ficou por conta do bom crescimento da economia americana e a privilegiada localização geográfica do país da Copa de 70.

Enquanto isso, o governo Lula posta-se invariavelmente contra toda e qualquer pauta do Tio Sam, seja econômica ou política, sobretudo as relações diplomáticas envolvendo ditadores e ditaduras amigas do petismo: Maduro (Venezuela), Putin (Rússia), Xi Jinping (China), Khamenei (Irã).

Os mais açodados dirão: “ano passado houve recorde no comércio entre Brasil e EUA”. Bem, a causa é facilmente verificável e comprovada: o aumento do preço das commodities minerais e agrícolas, além dos derivados de petróleo, que, juntos, representaram quase a totalidade da pauta comercial bilateral.

Se o lulopetismo abrisse mão de ideologias mofadas, da obsessão pelo protagonismo de um tal “mercado Sul-Global” (em passagens anteriores era Sul-Sul) e de teses contraproducentes sobre leis trabalhistas, regulamentações setoriais e afins, além, claro, do apreço por ditadores, o resultado seria outro.

BELZONTE

Não bastasse o fato acima e o gol do Criciúma, ontem, aos 40 minutos do segundo tempo – êh, Galo!! -, leio, há pouco, que Goiânia, capital de Goiás, com cerca de 1.5 milhão de habitantes, já é o terceiro maior mercado imobiliário do País, atrás apenas de São Paulo e Rio de Janeiro.

Os méritos da bela cidade do centro-oeste brasileiro? Dentre a sorte de localizar-se no seio da agropecuária nacional, administrações municipais favoráveis aos crescimento imobiliário, adotando legislações menos restritivas e onerosas (altura dos edifícios, por exemplo) e apoiando investimentos.

Não é segredo para ninguém que Belo Horizonte parou no tempo. Haja vista a degradação urbana que salta aos olhos. De belo, hoje, nosso horizonte não tem nada. Sem contar na ausência absoluta de toda e qualquer grande obra estruturante há décadas. BH é uma cidade morta-viva, se é que me entendem.

Neste sentido, não dá para não apontar o dedo para algumas administrações desastrosas, como a de Fernando Pimentel (que repetiu o desastre no governo de Minas) e, sobretudo, de Alexandre Kalil (repetindo, também, o desastre deixado no Clube Atlético Mineiro durante sua “era”).

Especificamente sobre Kalil, sua gestão notabilizou-se por um Plano Diretor do tempo das cavernas, que praticamente inviabilizou o setor imobiliário, transferindo para os municípios vizinhos uma riqueza incalculável – Nova Lima agradece penhoradamente por isso, aliás.

HORA DA VIRADA

Sua secretária sectária, Maria Caldas, com ideias e atitudes do tempo das cavernas, e um corpo técnico em parte tocado por dinossauros T-Rex (aqueles das mãozinhas pequenas), tornaram o ambiente de negócios imobiliários de BH nocivo e caríssimo – para quem constrói e para quem compra.

Através da iniciativa de alguns vereadores, notadamente do atual presidente da CMBH, Gabriel Azevedo (MDB), com o apoio do setor de construção, de entidades de classe como Fiemg e Fecomércio, e também do atual prefeito Fuad Noman, alguma reação – revisão do Plano Diretor – teve início.

Porém, tão ou mais importante, faz-se necessária uma mudança radical de pensamento e postura de todos os agentes e autoridades públicas. Mitos como adensamento, área construtiva, altura dos edifícios etc. precisam ser abandonados de vez. Basta “copiar” as grandes metrópoles do planeta.

Temos uma população 60% maior do que Goiânia. Uma região metropolitana quase 100% maior. O terceiro ou quarto PIB do País (Goiânia não aparece nem entre os dez primeiros). Além, é claro, de sermos a cidade do Galo! Ou seja, só muita incompetência administrativa para seguirmos tão mal assim.

Este ano teremos eleições municipais. É uma chance de, como sociedade, revermos nossos conceitos – ou ratificá-los – e elegermos prefeito e vereadores alinhados com o progresso e desenvolvimento social e econômico, que passam, necessariamente, por um mercado imobiliário moderno e pujante. 

Leia também:

Movimentos sociais vão entregar a vereadores PL por tarifa zero nos ônibus em BH

Zanin se declara impedido de julgar ação que questiona prefeituras que acionam mineradoras no exterior

Prêmio vai eleger ‘melhores’ prefeitos de MG

Veja os Stories em @OFatorOficial. Acesse