Um filme que se repete

Prefeito de Belo Horizonte, Fuad Noman vem tendo dificuldades nas articulações políticas
Fuad Noman em conversa com jornalistas na sede da Prefeitura de Belo Horizonte
Emissário de Fuad Noman causa desconforto em Federação (Foto: Amira Hissa/PBH)

Má condução política, ou falta dela, vem marcando as articulações em torno do prefeito Fuad Noman (PSD). O filme visto na eleição da mesa diretora da Câmara Municipal se repete nas tratativas de apoio para a reeleição do atual chefe do executivo da capital. 

As consequências da derrota na Câmara são bem conhecidas, e impediram o Prefeito de avançar em várias questões.

Conforme interlocutores ouvidos pelo O Fator, a falta de sensibilidade politica dos que operam na Afonso Pena, 1212 é gigante. É fácil perceber que a PBH não conseguiu ampliar o leque de chapas proporcionais, e perderam PRTB, DC, PP, MDB, PSB e outros, ora para o grupo de Marcelo Aro, ora para o grupo de Gabriel Azevedo.

O palanque de apoio à Fuad, ao menos até agora, não obteve qualquer avanço. Nenhum partido – nem mesmo os nanicos – declarou apoio ao PSD e, pelo andar da carruagem, dificilmente alguma sigla embarcará nessa canoa.

O tempo vai passando e a tendência é que o grupo de Gabriel Azevedo, chefe do Legislativo municipal, consiga angariar mais apoio que o próprio Prefeito. 

Márcio Lacerda, em sua reeleição em 2012, reuniu cerca de 14 partidos. Kalil, por sua vez, obteve apoio de 6 partidos. Quantos o prefeito Fuad terá é a pergunta do momento.

Leia também:

Ex-deputado Narcio Rodrigues vira réu por suposto desvio em convênio em MG

A viagem de José Dirceu a Belo Horizonte

MPF vai investigar invasões e ameaças contra indígenas Pataxó em MG

Veja os Stories em @OFatorOficial. Acesse