Andrade Gutierrez tentou renegociar valores do acordo de leniência; contrato foi rescindido pelo Estado

Construtora não pagou as cinco primeiras parcelas do acerto com o governo
Cidade Administrativa, sede do Governo de Minas Gerais
Construtora foi investigada e condenada por corrupção durante a construção da Cidade Administrativa. Foto: Gil Leonardi / Imprensa MG

A construtora Andrade Gutierrez tentou fazer um “acordo em cima do acordo de leniência” com o governo mineiro: a empresa, investigada e denunciada à Justiça por fraudes e corrupção na obra de construção da Cidade Administrativa, tentou por dois meses renegociar os valores do acordo original, acertado em 2021 nos valores de R$ 128,9 milhões.

O alto escalão do governo Zema até chegou a se reunir e ouvir as propostas feitas pela construtora, mas, em junho, o Estado entendeu que a empresa havia chegado ao teto de proposta de renegociação e decidiu por encerrar o acordo de leniência.

Na terça-feira (9), O Fator mostrou que o governo estudava rescindir acordos por falta de pagamento. Nesta quarta (10), o governo anunciou a rescisão com a Andrade Gutierrez.

Pelo acordo assinado em 2021, a Andrade precisava pagar R$ 128,9 milhões em 32 parcelas trimestrais por conta das fraudes cometidas durante a obra. Quando a hora chegou para pagar a primeira parcela, em março de 2023, a construtora “deu o cano”. E seguiu assim nas cinco parcelas seguintes.

A empresa terá agora 30 dias para apresentar uma defesa ao Estado, mas deve enfrentar um processo administrativo e outras sanções. Em caso de pagamento, terá de arcar com as cinco parcelas – R$ 20 milhões – em um prazo de até 30 dias.

De acordo com a legislação vigente, o descumprimento injustificado dos acordos pode resultar em severas punições para as empresas, incluindo:

  • Perda dos benefícios pactuados
  • Impedimento de celebrar novos acordos por 3 anos
  • Vencimento antecipado das parcelas não pagas
  • Execução integral de multas e valores referentes a danos e enriquecimento ilícito
  • Aplicação de outras sanções previstas nos acordos e na legislação

Além disso, o descumprimento será registrado no Cadastro Nacional de Empresas Punidas (CNEP) por um período de 3 anos.

Leia também:

Presidente da Assembleia cobra apoio da União por liminar sobre dívida de Minas

Desembargador mantém competência de Belo Horizonte em recuperação judicial do Grupo Coteminas

Apologia a atos terroristas pode render multa de até R$ 20 mil em BH

Veja os Stories em @OFatorOficial. Acesse