Como especialistas avaliam a possível auditoria da dívida de Minas com a União

Revisão dos valores devidos ao governo federal pode, para ex-advogado-geral, diminuir passivo bilionário contraído pelo estado
Negociação pela dívida do Estado com a União continua. Foto: Agência Minas
Negociação pela dívida do Estado com a União continua. Foto: Agência Minas

A auditoria da dívida de Minas Gerais com a União, supostamente autorizada pela Secretaria de Estado da Fazenda (a pasta nega oficialmente), reacendeu, entre personagens ligados às contas públicas mineiras, a esperança de que o encontro de contas pode ser um passo importante para reduzir os R$ 165 bilhões cobrados pelo governo federal.

O trabalho de revisão dos valores, inicialmente noticiado pelo Estado de Minas, foi confirmado por O Fator, que soube que auditores ligados ao Tribunal de Contas do Estado (TCE-MG) também atuam na verificação de materiais que contam a trajetória do passivo bilionário.

Por ora, os debates sobre a amortização do débito se concentram no programa batizado de Pleno Pagamento de Dívidas dos Estados junto à União (Propag). Apresentado pelo presidente do Congresso Nacional, o senador Rodrigo Pacheco (PSD-MG), o arcabouço tem como pilar, a federalização de estatais mineiras. O repasse das empresas à União serviria para garantir um abatimento imediato de R$ 80 bilhões.

Restariam, então, outros R$ 80 bilhões. A reboque da federalização, a ideia é que a União forneça desconto de metade do saldo devedor, o que levaria Minas Gerais a desembolsar apenas R$ 40 bilhões — cerca de 25% do valor original.

Ex-chefe da Advocacia-Geral do Estado de Minas Gerais (AGE-MG), o professor Onofre Alves Batista Júnior, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), vê com bons olhos a auditoria da dívida. Para embasar a opinião, ele recorre à Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL), imposto federal criado nos anos 1980. A CSLL nasceu para bancar ações de seguridade social, mas, segundo Onofre, nunca teve fatias repassadas pela União aos estados, gerando perdas a Minas.

“Existem questões diversas que me levam a crer que a dívida praticamente não existe. Basta ver a fraude da CSLL, que lesou MG em mais de R$ 60 bilhões. E nem vamos falar do ‘cano’ dado com relação às compensações da Lei Kandir”, diz, a O Fator.

A Lei Kandir, também citada por Onofre, garantiria, aos estados, compensações por perdas na arrecadação do Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) que incidia sobre produtos exportáveis. Ocorre que, na prática, a compensação prometida às unidades federativas não alcançou o patamar dos prejuízos.

Em 2020, Zema aceitou receber R$ 8,7 bilhões como forma de reparar as perdas da Lei Kandir, mas o valor é considerado baixo por alguns especialistas.

“Temos de ir na origem da dívida. Quem fez essa dívida? Os valores pagos eram os que tinham de ser pagos? Como a dívida começou? É preciso ir na origem da dívida e auditar absolutamente tudo”, aponta Hugo René de Souza, diretor de Relações Intersindicais e Parlamentares do Sindicato dos Servidores da Tributação, Fiscalização e Arrecadação do Estado de Minas Gerais (Sinfazfisco-MG).

Hugo avalia positivamente a intenção do Sindicato dos Auditores Fiscais da Receita Estadual de Minas Gerais (Sindifisco-MG), que levou, à Fazenda estadual, a ideia de uma auditoria, mas faz ponderações.

Segundo ele, antes do início da auditoria, todas as conversas relacionadas a uma eventual adesão de Minas ao Regime de Recuperação Fiscal (RRF) precisam ser paralisadas. Antes do surgimento do plano de Pacheco, o RRF era visto, pela equipe econômica de Zema, como saída para a crise fiscal do estado, mas sofria a oposição de parte dos deputados estaduais, críticos a contrapartidas do pacote de medidas e temerosos de desinvestimentos em políticas públicas.

“No Regime de Recuperação Fiscal, um dos pré-requisitos é abrir mão de toda e qualquer ação judicial. Se formos fazer uma auditoria da dívida para detectar algo depois que o Regime for assinado, não se pode judicializar. Vai reclamar para quem?”, aponta o diretor do Sinfazfisco.

“Toda e qualquer proposta – a de Haddad, de Pacheco ou da Assembleia – tem de olhar para o lado do cidadão mineiro. A União pode se enxergar como banco – e o estado de Minas não pode se vitimizar por isso. Já que o estado está propenso a fazer, para tudo (as negociações de refinanciamento) e vamos fazer (a auditoria)”, emenda.

Dívida externa pode entrar na equação

Para Onofre Alves Batista Júnior, a equação ligada à dívida mineira precisa levar em conta o Plano Brady, montado para amortizar dívidas externas. O Brasil aderiu ao mecanismo em 1994, sete anos depois de ter declarado moratória.

“Em minha opinião, a União obteve descontos no pagamento da dívida externa que não foram repassados aos estados. Tenho a convicção de que isso ficará evidenciado nas investigações. O caso VASP prova o que houve e SP já venceu esse debate”, projeta.

Foi assim, aliás, por causa do Plano Brady, que São Paulo conseguiu, em 2018, suspender o bloqueio de mais de R$ 100 milhões em repasses federais que serviriam para custear dívidas da extinta Viação Aérea São Paulo (Vasp). A decisão foi proferida pelo ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF).

Dose de ceticismo

Apesar do aval à auditoria da dívida, um interlocutor ouvido sob anonimato pela reportagem demonstrou temor com parte dos aspectos ligados ao encontro de contas.

Segundo ele, a auditoria pode, a depender de seus rumos, acabar impulsionando a adesão de Minas ao Regime de Recuperação Fiscal — uma vez que, a reboque da possibilidade de revisão dos números, o estado poderia recusar o ingresso em um refinanciamento nos moldes do proposto por Pacheco.

Leia também:

Psol aciona Justiça por suspensão da lei que criou ‘censo do aborto’ em BH

MP denuncia famílias que adotaram homeschooling em cidade mineira

Justiça vê irregularidade em nomeação no interior de Minas e cita deputado em sentença

Acompanhe O Fator no Instagram

Veja os Stories em @OFatorOficial. Acesse