Governo decide por mudança na Gasmig e já vai indicar novo presidente

Empresa pública deve ter mudanças já na próxima quinta
A Gasmig afirma que os investimentos serão financiados com recursos próprios e linhas de crédito, sem impacto nas tarifas cobradas dos consumidores. Foto: Divulgação
Mudanças à vista na empresa pública mineira. Foto: Divulgação

Martelo batido: o governo Zema decidiu mesmo trocar a presidência da Gasmig. O atual chefe da estatal, Gilberto Valle Filho, deve deixar a cadeira já na próxima quinta-feira (11), após votação do Conselho de Administração, que também irá deliberar a escolha de seu sucessor, o administrador Carlos Camargo de Colon.

A informação sobre a escolha de Colon como sucessor foi informada pelo colunista Luís Tito, de “O Tempo”, e confirmada por O Fator nesta segunda-feira (8).

Colon já integra os quadros da Gasmig: é membro do Conselho de Administração. Seu nome é uma indicação não só do presidente da Cemig, Reynaldo Passanezi, como também de Marco Soligo, também dirigente da Cemig. Colon já presidiu a Sulgas, a “Gasmig gaúcha”.

Gilberto Valle Filho está a frente da Gasmig desde 2021, quando entrou no lugar de Pedro Magalhães Bifano. Sua provável saída passa, inclusive, pelo descontentamento que atores políticos tiveram quando Magalhães deixou a empresa. Uma ala do governo de Minas, no entanto, defendia a permanência do empresário.

Outro ponto crucial para a decisão da saída de Gilberto Valle Filho foram atritos com a Cemig. A estatal de energia é a principal acionista da Gasmig – tem 99,57%. O município de Belo Horizonte possui os 0,43% restantes.

Leia também:

Presidente da Assembleia cobra apoio da União por liminar sobre dívida de Minas

Desembargador mantém competência de Belo Horizonte em recuperação judicial do Grupo Coteminas

Apologia a atos terroristas pode render multa de até R$ 20 mil em BH

Veja os Stories em @OFatorOficial. Acesse