Líder de Zema na ALMG é condenado à perda de mandato por corrupção

Parlamentar ainda pode recorrer; outros dois réus também receberam condenações
O deputado estadual João Magalhães
Magalhães foi citado pelo MPF em ação sobre venda de emendas. Foto: Henrique Chendes/ALMG

O deputado estadual João Magalhães (MDB), que exerce a função de líder do governo de Romeu Zema (Novo) na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), foi condenado à prisão e à perda de mandato por corrupção passiva e lavagem de dinheiro em um processo que tramita na Justiça Federal. A decisão, de primeira instância, impõe pena de 11 anos e oito meses de prisão a ele e foi expedida no último dia 7 pela juíza Gabriela de Alvarenga Silva Lipienski, no âmbito de uma investigação ocorrida a reboque da Operação João de Barro, que apurou fraude em licitações de prefeituras de diferentes estados brasileiros.

Apesar da sentença, Magalhães não foi cassado, porque a condenação não é definitiva. A ação só será encerrada após o trânsito em julgado, em que há o esgotamento de todas as instâncias recursais. O parlamentar nega as irregularidades.

“As referidas denúncias datam de quase 20 anos atrás e se baseiam em acusações infundadas. Não há nenhum indício de que eu tenha recebido qualquer vantagem indevida – o que será devidamente comprovado através de meus advogados ao longo do processo”, disse.

A denúncia contra o emedebista foi apresentada pelo Ministério Público Federal (MPF). Segundo os autos da ação, Magalhães, deputado federal à época da deflagração da Operação João de Barro, em 2008, apresentava emendas ao orçamento da União, destinadas a obras em alguns municípios mineiros.

Após o empenho dos valores, narra o MPF, o parlamentar teria cobrado, dos prefeitos, o pagamento de propina de 10% a 12% da verba, sob pena de redirecionamento das cifras a outros municípios. Na ação, são citadas cidades como Vargem Alegre, Ipanema, Crisólita, Conselheiro Pena, Água Boa, Alpercata, Caldas, Tumiritinga e Jaboticatubas.

A decisão da magistrada Gabriela Lipienski ainda condena, a 11 anos e seis meses de prisão, um prefeito apontado como parte da ilicitude e que teria recebido R$ 38 mil como compensação pelo recebimento de emendas a seu município.

Uma outra ré, apontada como “assessora informal” de Magalhães, também foi condenada a perda de mandato eletivo. Segundo os autos do processo, a mulher, após o recebimento dos recursos indevidos, “imediatamente repassava os valores para contas de pessoas da intimidade do então deputado federal, de forma a ocultar a natureza, origem, movimentação e propriedade do numerário”.

Magalhães fala em ‘tranquilidade’

À reportagem, por meio de nota, Magalhães disse ter discordar da sentença, mas afirmou ter recebido a decisão da juíza Gabriela Lipienski com “tranquilidade”.

“Sigo tranquilo com minha conduta e com a  integridade de meus atos durante toda a minha vida pública. De 1996 a 2015, período em que exerci mandatos como deputado federal, não foi diferente Todas as medidas legais cabíveis estão sendo tomadas para que este assunto seja esclarecido e foco minhas energias na atuação em favor de Minas como deputado estadual e líder de governo”, falou o deputado.

Leia também:

Psol aciona Justiça por suspensão da lei que criou ‘censo do aborto’ em BH

MP denuncia famílias que adotaram homeschooling em cidade mineira

Justiça vê irregularidade em nomeação no interior de Minas e cita deputado em sentença

Acompanhe O Fator no Instagram

Veja os Stories em @OFatorOficial. Acesse