Os detalhes da última proposta das mineradoras pela repactuação de Mariana

Negociação envolve governos de MG, ES, União e empresas
Bento Rodrigues, distrito de Mariana, foi um dos mais atingidos com a lama de rejeitos da barragem do Fundão
O rompimento da barragem de Fundão, em 2015, deixou 19 mortos e dano ambiental ainda incalculável. Foto: Agência Brasil

A proposta que está na mesa de negociações entre o Poder Público e as mineradoras Vale, BHP Billiton e Samarco pela repactuação do acordo de reparação pelo rompimento da barragem de Mariana, em 2015, prevê o pagamento de R$ 82 bi ao longo de 20 anos e com 30% deste valor sendo destinado a programas socioambientais geridos pela União e Estados.

O Fator teve acesso à proposta apresentada no último dia 11 pelas mineradoras, que aumentaram para R$ 82 bi de “dinheiro novo”, ainda a ser gasto e repassado a Estados e União.

Detalhamento da Proposta:

Obrigações de Pagar: R$ 82 bilhões
A proposta inclui R$ 82 bilhões em obrigações de pagar ao Poder Público a serem desembolsados ao longo de 20 anos. Estes pagamentos serão feitos em parcelas anuais, iguais e sucessivas, corrigidas pelo IPCA. Deste montante:

  • Aproximadamente 70% (cerca de R$ 57,4 bilhões) será destinado a beneficiar diretamente as pessoas da região afetada, através de programas como:
    • Programa de transferência de renda para os mais vulneráveis
    • Fortalecimento do sistema de saúde local com a criação de um fundo perpétuo
    • Universalização do saneamento na Bacia do Rio Doce
    • Programa coletivo para Povos e Comunidades Tradicionais elegíveis
    • Repasse direto aos Municípios
    • Fundo de resposta a enchentes
    • Fundo para deliberação direta das comunidades
    • Assessoria Técnica Independente
    • Fortalecimento do Sistema Único de Assistência Social (SUAS)
    • Investimento nas rodovias da região
  • Os 30% restantes (cerca de R$ 24,6 bilhões) serão dedicados a outros programas socioambientais geridos pela União e Estados, incluindo iniciativas de desenvolvimento rural, resposta a desastres, adequação às mudanças climáticas, fiscalização de barragens, educação ambiental, cultura e turismo, prevenção à violência doméstica, apoio a microempreendedores e fomento ao crédito rural.

Obrigações de Fazer: R$ 21 bilhões
A Samarco permanecerá responsável por obrigações de fazer estimadas em R$ 21 bilhões. Deste valor:

  • 60% (aproximadamente R$ 12,6 bilhões) beneficiará diretamente as pessoas da região, incluindo:
    • Soluções indenizatórias definitivas para pessoas elegíveis
    • Conclusão dos reassentamentos de Bento Rodrigues e Paracatu de Baixo
  • Os 40% restantes (cerca de R$ 8,4 bilhões) serão destinados a benefícios ambientais diretos, como:
    • Recuperação de 5 mil nascentes
    • Reflorestamento de mais de 40 mil hectares (equivalente a 28 mil campos de futebol)

Valores já investidos: R$ 37 bilhões
A proposta reconhece os R$ 37 bilhões já investidos pela Fundação Renova em medidas de reparação e remediação, dos quais:

  • Segundo as empresas, pelo menos R$ 17 bilhões já beneficiaram diretamente mais de 430 mil pessoas através de indenizações e assistências financeiras.

Condições e Observações Importantes:

  1. Segundo as mineradoras, o aumento da proposta está condicionado a termos, incluindo:
    • Inexigibilidade de gerenciamento de área contaminada
    • Levantamento da restrição à pesca
    • Encerramento das portas indenizatórias com data de corte pretérita (PIM, AFE, Novel e afins)
  2. A proposta é não vinculante, confidencial e sujeita a aprovações societárias.
  3. As empresas ressaltam que a oferta busca atender aos principais pleitos do Poder Público, visando a pacificação social e segurança jurídica.
  4. A proposta é válida apenas no contexto da mediação conduzida pelo TRF-6 e não pode ser usada contra as empresas para fins litigiosos.

A proposta, enviada ao Tribunal Regional Federal da 6ª Região em 11 de junho, ainda não recebeu uma resposta. Na semana passada, como mostrou O Fator, a União solicitou mudanças e novas concessões das empresas.

A barragem de Fundão se rompeu em novembro de 2015, matando 19 pessoas e gerando dano ambiental ainda incalculável. A estrutura era administrada pela Samarco, mineradora controlada pela Vale e pela BHP Billiton.

Leia também:

Psol aciona Justiça por suspensão da lei que criou ‘censo do aborto’ em BH

MP denuncia famílias que adotaram homeschooling em cidade mineira

Justiça vê irregularidade em nomeação no interior de Minas e cita deputado em sentença

Acompanhe O Fator no Instagram

Veja os Stories em @OFatorOficial. Acesse