O que a base de Zema queria, a iniciativa pela assinatura de todos e o otimismo pelo reajuste de 4,62%

Aliados do governador esperavam apresentar emenda, mas alteração veio por mensagem do Executivo
ALMG protesto plenário
Zema ressaltou que o índice de 4,62% é o máximo que o governo consegue ofertar, sem colocar em risco as contas públicas. Foto: ALMG/Guilherme Dardanhan

Deputados estaduais da base do governador Romeu Zema (Novo) na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) expressaram entre colegas que gostariam de ter sido os autores da mudança na proposta de reajuste salarial dos servidores públicos para 4,62%, e não comunicados primeiramente por um vídeo divulgado nesta terça (4) pelo governador ao lado da secretária Luísa Barreto. Para agradar estes, um requerimento para que todos assinem a nova proposta começou a andar na Casa.

De acordo com parlamentares que conversaram com O Fator, a mudança deveria ser feita por meio de uma emenda proposta pelos próprios deputados da base governista, que vêm enfrentando pressão das categorias de servidores, e não através de uma mensagem enviada pelo Executivo – o projeto original foi enviado assim, por meio de mensagem do governador à Casa.

A coluna apurou que o líder do governo na ALMG, deputado João Magalhães (MDB), já atua para levar os deputados para a construção: já nesta manhã, protocolou requerimento interno para que todos os deputados da Casa possam assinar a emenda coletiva e promover a alteração do projeto do reajuste.

Até o início da manhã desta terça-feira (4), havia otimismo por parte do Executivo de que o novo texto seria aprovado pela Assembleia.

Na segunda-feira (3), Magalhães passou um bom tempo no gabinete do secretário de Governo, Gustavo Valadares, calculando quantos votos teriam para a aprovação da mudança.

Inicialmente, o governo de Romeu Zema havia proposto um reajuste de 3,62% para os servidores, percentual abaixo da inflação de 2023. A proposta enfrentou resistência tanto de deputados da oposição quanto da base aliada na ALMG, além de críticas de entidades representativas dos servidores.

Diante disso, Zema anunciou nesta terça, ao lado da secretária de Planejamento e Gestão (Seplag), que vai aumentar o percentual do reajuste para 4,62%, correspondente à inflação do ano passado. O governador justificou a medida citando o esforço do governo para alcançar o equilíbrio financeiro do estado, apesar da dívida de cerca de R$ 170 bilhões com a União.

Zema ressaltou que o índice de 4,62% é o máximo que o governo consegue ofertar, sem colocar em risco as contas públicas. Nas últimas semanas, servidores de todo o estado realizaram protestos reivindicando um reajuste integral.

Leia também:

STF vira palco de nova batalha judicial sobre ações de prefeituras contra mineradoras no exterior

A queda de braço entre o PT e o PRD pelo apoio do Republicanos em Contagem

Pontapé inicial do novo PTB em Minas tem Saraiva Felipe, Apolo Heringer e ex-deputados

Veja os Stories em @OFatorOficial. Acesse