Prefeito acusado de desviar recursos pode ser cassado

Cláudio Dinho (PSD) nega rombo milionário e diz que processo é ilegal
Dinho teve 11.158 votos e foi eleito com 35,30% nas eleições de 2020. Foto: Divulgação.

A cidade de Congonhas, na região Central de Minas, enfrenta um drama político. O prefeito Cláudio Dinho (PSD) é acusado de desviar recursos públicos e pode ser cassado.

O processo de impeachment foi aberto ontem na Câmara Municipal. Cláudio negou o rombo e disse que o trâmite é ilegal.

Detalhes

A decisão é baseada em indícios de irregularidades identificadas por duas Comissões Parlamentares de Inquérito (CPIs) que tramitaram na Câmara. Os vereadores investigam supostas falhas em obras públicas e possível desvio de recursos para a Associação Pró-Vida, entidade ligada ao prefeito e sua família. 

As suspeitas incluem a destinação de recursos para a construção de um hospital e outras parcerias que somam mais de R$ 23 milhões. 

“Vamos acompanhar o processo de forma imparcial e conduzi-lo da melhor forma possível”, informou o presidente da Comissão, vereador Lucas Bob 

Negou

Cláudio negou as acusações. 

“Todas são sem fundamento. Nós temos todos os documentos e pareceres jurídicos. Aguardamos eles provarem as ilegalidades, porque não tem nada disso. O tempo vai mostrar”, disse a O Fator.

Para ele, o trâmite é ilegal.

“Duas CPIs foram instauradas no ano passado e ainda estão abertas. Uma denúncia foi apresentada na Câmara sem que as outras investigações sejam concluídas. Isso é ilegal, pois está sobrepondo a outra”, pontua.

Próximos passos

A Câmara Municipal formou uma Comissão Processante, composta pelo vereador Lucas Bob (PSB), presidente, e Averaldo Pica Pau (PL), relator, além de outros parlamentares. Eles terão 90 dias para concluir a investigação e apresentar um relatório final ao plenário. 

Os vereadores decidem no voto se o relatório será aprovado ou rejeitado. É necessário que pelo menos dois terços dos parlamentares — 9 de 13 — sejam favoráveis à denúncia para afastar o prefeito do cargo.

Leia também:

MP denuncia prefeito por beneficiar empresa em contratos que ultrapassam R$ 40 mi

Federação PT-PV-PCdoB adia prazo para tomar decisão sobre candidaturas em grandes cidades

Movimentos sociais vão entregar a vereadores PL por tarifa zero nos ônibus em BH

Veja os Stories em @OFatorOficial. Acesse