Conselheiro quer que TCE seja notificado caso Cemig negocie ações da Taesa

Ação analisada é um dos desdobramentos da CPI da Cemig, instaurada em 2021 na Assembleia
Subsidiária vai ficar com a Cemig. Crédito: Ronaldo Almeida/Divulgação

O Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais (TCE-MG) pode acompanhar qualquer venda de ações da Transmissora Aliança de Energia S.A. (Taesa) que forem negociadas pela Cemig. Foi o que propôs o conselheiro Agostinho Patrus em seu voto, na última quarta-feira (10), no julgamento da ação que versa sobre o caso. O Tribunal retomou a análise desse processo, mas ainda não há uma decisão em definitivo, já que outro conselheiro, Cláudio Terrão, também pediu vistas — instrumento regimental que suspende a tramitação do processo para análise mais detalhada do seu conteúdo.

A relatoria do caso era do conselheiro Dr. Viana, que se aposentou e deixou o TCE no último mês de março. O voto de Agostinho Patrus inclui a exigência de que o tribunal seja notificado com antecedência sobre qualquer futura alienação da participação acionária na subsidiária.

Em sua deliberação, o tribunal também pediu extinção do processo original, oriundo da CPI da Cemig na ALMG, sem julgar o mérito devido a não concretização da venda até o momento.

Contudo, estabeleceu um novo procedimento de acompanhamento para fiscalizar atos futuros relacionados à venda.

O presidente da Cemig deve ser convidado a fornecer documentação detalhada sobre o processo, seguindo normas similares as do Tribunal de Contas da União para desestatizações. Pela proposta, a empresa deverá informar o TCE com pelo menos 60 dias de antecedência antes de qualquer ação concreta visando a venda das ações.

A ação analisada pelo TCE é um dos desdobramentos da CPI da Cemig, instaurada em 2021 na Assembleia Legislativa de Minas Gerais. A suspensão da venda dos ativos da Taesa foi solicitada pela CPI, mas o MP não viu indícios de irregularidades.

Na página destinada à comunicação com investidores no site Taesa, consta que a Cemig detém 36,97% das ações ordinárias da empresa (títulos que conferem ao seu detentor participar da gestão da empresa), e 1,28% das ações preferenciais (que garantem direitos sobre os lucros e os ativos da companhia).

Como a votação não terminou, a Cemig ainda não foi notificada.

Leia também:

Psol aciona Justiça por suspensão da lei que criou ‘censo do aborto’ em BH

MP denuncia famílias que adotaram homeschooling em cidade mineira

Justiça vê irregularidade em nomeação no interior de Minas e cita deputado em sentença

Acompanhe O Fator no Instagram

Veja os Stories em @OFatorOficial. Acesse