TST reforma acórdão do TRT de Minas que reconhecia vínculo de emprego em contrato de franquia

Corte mineira deve observar precedentes do STF em caso que envolva a contratação entre empresas e profissionais liberais
A reclamação trabalhista foi ajuizada por um empresário mineiro, dono de uma corretora franqueada de seguro, contra a seguradora Prudential, que possui uma rede de franquias. Foto: Divulgação
A reclamação trabalhista foi ajuizada por um empresário mineiro, dono de uma corretora franqueada de seguro, contra a seguradora Prudential, que possui uma rede de franquias. Foto: Divulgação

O Tribunal Superior do Trabalho (TST) reiterou o entendimento sobre a inexistência de vínculo de emprego na relação entre pessoas jurídicas. O relator, ministro Alexandre Ramos, da 4ª Turma do TST, declarou monocraticamente a licitude do contrato de franquia.

Ramos deu provimento ao recurso interposto pela franqueadora e excluiu o vínculo empregatício que havia sido reconhecido pelo Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região (TRT-3), de Minas Gerais. A reclamação trabalhista foi ajuizada por um empresário mineiro, dono de uma corretora franqueada de seguro, contra a seguradora Prudential, que possui uma rede de franquias.

“Quanto ao tema ‘vínculo de emprego – contrato de franquia’, trata-se de recurso cuja questão de fundo é objeto de tese fixada pela Suprema Corte em sistema de produção de precedente qualificado (decisão em repercussão geral, súmula vinculante ou controle concentrado de constitucionalidade) e, portanto, com efeito vinculante e eficácia erga omnes”, afirmou o relator.

O ministro destacou a tese fixada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) no julgamento do RE nº 958.252, com o tema 725 da Tabela de Repercussão Geral, que decidiu pela licitude da terceirização por “pejotização”, ante a inexistência de irregularidade na contratação de pessoa jurídica formada por profissionais liberais.

Acordo de cooperação

No mês passado, o STF e o TST firmaram um termo aditivo ao Acordo de Cooperação Técnica 3/2023, que visa reduzir o número de ações judiciais e privilegiar o julgamento de temas repetitivos. O objetivo também é fortalecer o sistema de precedentes qualificados com a identificação rápida e eficiente de questões jurídicas para julgamento na Justiça do Trabalho.

Até agora, o TST já julgou quase 30 casos de franquia no mérito, reconhecendo a validade da contratação em todos, cassando decisões de 2ª instância proferidas pelos TRTs do Rio de Janeiro (TRT-1), São Paulo (TRT-2), Rio Grande do Sul (TRT-4), Paraná (TRT-9) e Distrito Federal (TRT-10).

Leia também:

Psol aciona Justiça por suspensão da lei que criou ‘censo do aborto’ em BH

MP denuncia famílias que adotaram homeschooling em cidade mineira

Justiça vê irregularidade em nomeação no interior de Minas e cita deputado em sentença

Acompanhe O Fator no Instagram

Veja os Stories em @OFatorOficial. Acesse