Os dois lados de um muro

Que tal muro efetivamente seja derrubado, e que o alicerce que hoje o suporta tenha a destinação prometida.
Vila da Serra, em NL, e Belvedere, em BH, separados por um
Vila da Serra, em NL, e Belvedere, em BH, separados por um "muro" (Foto: Reprodução/Associação dos Moradores do Belvedere)

Há alguns dias participei, como membro da sociedade civil e Presidente da UNIVIVA – associação civil criada em 2017 como sucessora do movimento “Frente de Associações e Condomínios do Vetor Sul” -, que tem dentre seus objetivos estatutários “aglutinar interesses na busca de soluções, correções ou que reflitam interesses de meio ambiente, aspectos viários e urbanísticos, na região entre Belo Horizonte e Nova Lima, e regiões vizinhas”, da reunião solene realizada sob coordenação do Dr. Jarbas Soares, Procurador-Geral do MPMG.

No auditório do órgão literalmente lotado, com a presença do governador do Estado, dos prefeitos de BH e NL, do procurador da República, do IEF, da União e de tantos outros, foi celebrado acordo que dará condições para um projeto que solucione, ou pelo menos amenize, a situação caótica da região do encontro do Belvedere com Nova Lima.

Registro que o Acordo foi celebrado nos autos da Ação Civil Pública 1010301-98.2022.8.01.3800, da qual a UNIVIVA foi admitida na qualidade de “amicus curiae”, em face da sua legitimidade e regularidade como associação civil, ao contrário de outras associações que não têm regularidade de representação.

Na solenidade da assinatura do acordo, foi dito pelos Prefeitos de BH e NL, e outros que os seguiram nas falas, que estavam “derrubando o muro que separa as duas cidades”.

Isto me trouxe uma reflexão: todo muro tem um alicerce que o sustenta. Como decidir qual lado “está certo”, ou para qual lado o muro pode cair? Mais: o que fazer com o alicerce?

Para os que moram ou transitam nessa tumultuada região, não existe solução simplista. Se um lado do muro clama e precisa de uma solução viária para pelo menos minorar o trânsito caótico, o outro clama por preservar o meio ambiente e por um parque que, hoje, se limita a algumas árvores sem nenhum paisagismo ou mobilidade para visitação.

O que percebi nas falas e no sentimento de todos que lá estavam, é a sincera vontade de atender aos dois anseios, com uma solução urbanística que minimize o caos existente, evitando um maior adensamento da região, respeitando o direito de propriedade em harmonia, com o interesse coletivo, e, por fim, contemplar a criação de dois parques interligados, tudo dentro de uma solução viária moderna, visando a efetiva melhoria da qualidade de vida dos moradores do Vila da Serra e do Belvedere, e daqueles que pela região transitem.

Defender a restrição de utilização dessa área comum com um único objetivo – seja só um parque ou uma nova avenida, é ficar olhando e preso a apenas “um dos lados do muro”.

Que tal muro efetivamente seja derrubado, e que o alicerce que hoje o suporta tenha a destinação prometida.

Leia também:

Psol aciona Justiça por suspensão da lei que criou ‘censo do aborto’ em BH

MP denuncia famílias que adotaram homeschooling em cidade mineira

Justiça vê irregularidade em nomeação no interior de Minas e cita deputado em sentença

Acompanhe O Fator no Instagram

Veja os Stories em @OFatorOficial. Acesse