Início da tramitação do PL do Ipsemg é adiado pela terceira vez na Assembleia 

Texto ainda não foi analisado pela Comissão de Constituição e Justiça do Legislativo
Servidores de Minas protestam contra PL que mexe na estrutura do Ipsemg
Servidores foram à ALMG nesta quarta (19) protestar contra PL do Ipsemg. Foto: Elizabete Guimarães/ALMG

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) adiou, pela terceira vez, o início da análise do projeto de lei que aumenta os valores do piso e do teto de contribuições do  Instituto de Previdência dos Servidores do Estado de Minas Gerais (Ipsemg). Nesta quarta-feira (19), o comitê iria se reunir para debater o texto, mas a proposta acabou retirada da pauta de votações.

O movimento de retirada de pauta aconteceu após o presidente e o vice da CCJ — Arnaldo Silva (União Brasil) e Bruno Engler (PL), respectivamente — não comparecerem à reunião. A tarefa de liderar o encontro, então, coube a Doutor Jean Freire (PT), o mais velho entre os deputados presentes. Integrante do bloco de oposição ao governador Romeu Zema (Novo), que faz críticas ao PL do Ipsemg, Freire optou por postergar o início da tramitação.

O projeto enviado pelo Palácio Tiradentes à ALMG não altera a alíquota de 3,2% imposta aos contribuintes do Ipsemg. Em outra frente, entretanto, o piso, fixado em R$ 33,02, passaria para R$ 60. O teto dos repasses, por sua vez, iria de R$ 275,15 para R$ 500. 

Nessa terça-feira (18), o projeto já havia sido retirado de pauta na CCJ. O mesmo aconteceu na semana passada.

Como já mostrou O Fator, no início da semana, sindicatos que compõem a Frente Mineira em Defesa do Serviço Público pediram ao relator do projeto na CCJ, Zé Laviola (Novo), a transformação do projeto de lei em um projeto de lei complementar (PLC).

Caso a tramitação aconteça na forma de projeto de lei, quando chegar ao plenário, a proposta precisará do aval da maioria simples dos parlamentares presentes à votação. Quando um texto é apresentado como PLC, o panorama muda, e é necessário obter maioria qualificada, o que corresponde a pelo menos 39 dos 77 deputados.

Leia também:

Psol aciona Justiça por suspensão da lei que criou ‘censo do aborto’ em BH

MP denuncia famílias que adotaram homeschooling em cidade mineira

Justiça vê irregularidade em nomeação no interior de Minas e cita deputado em sentença

Acompanhe O Fator no Instagram

Veja os Stories em @OFatorOficial. Acesse