Justiça suspende parcialmente decisão sobre pagamento de auxílio emergencial a atingidos pelo desastre de Mariana

Segundo desembargador, pode haver sobreposição de indenizações, resultando em possível duplicidade
Foto mostra área atingida pelo rompimento da barragem de Fundão
O rompimento da barragem aconteceu em 2015 e provocou a maior tragédia ambiental do país. Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil

O desembargador federal Ricardo Machado Rabelo, do Tribunal Regional Federal da 6ª Região (TRF-6), decidiu suspender parcialmente uma decisão anterior que obrigava a Fundação Renova a pagar o Auxílio Financeiro Emergencial (AFE) a atingidos pelo rompimento da barragem de Fundão, em Mariana (MG), que já haviam recebido indenizações pelo sistema de indenizações simplificadas, batizado de Novel. O despacho de Rabelo data da terça-feira (9).

A decisão original, proferida pelo juízo de primeira instância, determinava que a Fundação Renova não poderia negar o AFE com base no pagamento de indenizações e na assinatura de termos de quitação pelos atingidos que aderiram ao sistema Novel. Além disso, impunha uma multa de R$ 250 mil à Fundação por litigância de má-fé.

No entanto, o desembargador Rabelo entendeu que a questão não é tão clara quanto parecia inicialmente. Ele argumentou que pode haver uma sobreposição de indenizações, resultando em um possível bis in idem (dupla indenização pelo mesmo fato).

O magistrado destacou que o sistema Novel, criado por decisão judicial, ofereceu indenizações significativas a diversas categorias de atingidos, como lavadeiras, artesãos e pescadores, com valores chegando a mais de R$ 90 mil em alguns casos. Essas indenizações foram acordadas com a participação de advogados e produziram efeitos de quitação.

Diante disso, o esembargador decidiu suspender temporariamente o prazo de 90 dias previsto na decisão original para o cumprimento das determinações, especificamente no que se refere ao pagamento do AFE aos atingidos que já receberam indenizações pelo sistema Novel.

A decisão ressalta que os pagamentos atuais do AFE devem continuar, exceto para aqueles que já receberam o Novel. Além disso, manteve a obrigação da Fundação Renova de apresentar uma listagem das pessoas que tiveram o AFE negado devido ao recebimento de indenizações pelo Novel.

O desembargador também suspendeu temporariamente a multa por litigância de má-fé imposta à Fundação Renova.

Por fim, a decisão manteve a extensão das determinações referentes ao AFE para os territórios abrangidos pela Deliberação CIF 58/2017, que incluiu novas áreas entre as impactadas pelo desastre.

O caso segue em análise no TRF6, com as partes tendo prazo para apresentar contrarrazões e o Ministério Público Federal devendo se manifestar sobre a questão.

Leia também:

Psol aciona Justiça por suspensão da lei que criou ‘censo do aborto’ em BH

MP denuncia famílias que adotaram homeschooling em cidade mineira

Justiça vê irregularidade em nomeação no interior de Minas e cita deputado em sentença

Acompanhe O Fator no Instagram

Veja os Stories em @OFatorOficial. Acesse