Os trunfos de Bella e Ana Paula em impasse na federação Rede-Psol em BH

Pré-candidata da Rede anunciou aliança com Duda Salabert (PDT), enquanto pessolista costurou acordo com Rogério Correia (PT)
Bella Gonçalves e Ana Paula Siqueira são pré-candidatas à Prefeitura de BH. Foto: Guilherme Dardanhan/ALMG

O impasse sobre os rumos eleitorais da federação formada por Rede Sustentabilidade e Psol na disputa pela Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) se ampliou neste fim de semana, com o anúncio da união entre a deputada estadual Ana Paula Siqueira (Rede) e a deputada federal Duda Salabert (PDT). Pré-candidata ao poder Executivo, Ana Paula divulgou a aliança dias após a também parlamentar Bella Gonçalves (Psol), que almeja disputar o pleito municipal, fechar acordo de unificação com Rogério Correia (PT).

Nos bastidores, interlocutores de Rede e Psol ouvidos por O Fator acreditam que o imbróglio vai se arrastar até a janela de convenções partidárias, entre 20 de julho e 5 de agosto. O período serve para que as legendas definam, oficialmente, as táticas que vão adotar na eleição.

A aliança entre Ana Paula e Duda Salabert surpreendeu os pessolistas, ao passo que integrantes da Rede não esperavam, neste momento, um anúncio de acerto com os petistas.

A favor de Bella Gonçalves, dizem aliados, está o fato de o Psol ser majoritário na federação em BH. A direção da coalizão tem sete integrantes. Quatro deles são pessolistas e, os outros três, pertencem aos quadros da Rede. Em abril. o grupo reconheceu Bella como pré-candidata da coalizão, embora Ana Paula tenha mantido seus eventos de pré-campanha mesmo com a decisão.

Aposta em Marina Silva

Ana Paula Siqueira, por sua vez, tem a ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, como trunfo. Principal rosto da Rede em âmbito nacional, Marina é entusiasta da participação da parlamentar na corrida à prefeitura — prova disso é que viajou a Belo Horizonte para o evento de lançamento da pré-candidatura da aliada.

Marina Silva, aliás, foi citada por Duda e Ana Paula no anúncio da união entre PDT e Rede. As parlamentares desejam fazer um evento com a ministra para tratar de propostas. Um aliado de Ana Paula ainda negou que a costura com a pedetista tenha sido feita com o objetivo de dar “sobrevida” à pré-candidatura da deputada estadual.

Assim, a esperança é recorrer às instâncias nacionais da federação para que haja uma decisão favorável a Ana Paula. A avaliação de pessoas da Rede, neste momento, é que a deputada poderia encabeçar a única candidatura viável da agremiação em todo o país na eleição de outubro.

“Junto com a Duda, nós seguimos o movimento do BH Tem Jeito, na escuta da população e abertas ao diálogo como sempre estivemos. A cidade do jeito que está não dá pra ficar. A discussão sobre a estratégia eleitoral precisa ser feita com base em um programa que realmente pense Belo Horizonte a partir da necessidade das pessoas. Não dá pra fazer nenhuma construção que não seja programática e com base nas pesquisas”, disse Ana Paula, à reportagem.

‘Não é hora de ego’, diz Bella

No sábado (8), horas após a concretização do trato entre Ana Paula e Duda, Bella Gonçalves foi às redes sociais defender a união dos partidos à esquerda na eleição de outubro.

“Vivemos um dos momentos de maior perigo para BH. Voltei de uma reunião com Lula na missão de juntos, unificarmos o campo progressista nas eleições. Quem tem responsabilidade com a cidade, precisa ter a sabedoria e entender a urgência do cenário. Não é hora de ego e disputa baixa”, falou.

A cúpula da federação Rede-Psol ainda divulgou comunicado dizendo não reconhecer a aliança anunciada pela pré-candidata da Rede.; 

“Declarações acerca de uma suposta composição com a candidatura do PDT em Belo Horizonte,  não representam a posição da Federação ou dos partidos que a compõem.

Ambos os partidos já definiram por ampla maioria o nome de Bella Gonçalves como a pré-candidata da federação e na última semana, a parlamentar, que preside a federação em BH, se reuniu com  o presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, dialogando uma aliança também com o Partido dos Trabalhadores”, lê-se em trecho do texto.

Rede teve duas pré-candidaturas

No início do ano, a Rede chegou a ter duas pré-candidaturas à Prefeitura de BH. Além de Ana Paula, o ex-vice-prefeito Paulo Lamac anunciou o plano de participar do pleito. Ele deixou a ideia de lado no fim de março, quando foi nomeado secretário de Assuntos Institucionais e Comunicação do prefeito Fuad Noman (PSD).

Como já mostrou O Fator, Lamac é simpático ao apoio de seu partido à reeleição de Fuad. Em 2022, mesmo com a candidatura de Lorene Figueiredo (Psol) ao governo, a Rede deu apoio informal a Alexandre Kalil (PSD).

Leia também:

MDB presta solidariedade a deputado mineiro condenado por corrupção e confia em reversão de sentença

Fávaro vai à Câmara explicar fiasco no leilão de arroz

Cassinos voltam à mesa da CCJ do Senado

Veja os Stories em @OFatorOficial. Acesse