Reginaldo defende caminhões fora do Imposto Seletivo: “atividade produtiva”

Caminhões saíram do ‘imposto do pecado’ que será pago em todos os outros veículos, inclusive carros elétricos
Reginaldo Lopes no grupo da reforma tributária
Reginaldo: caminhões de fora. Foto: Bruno Spada/Câmara dos Deputados

O deputado federal Reginaldo Lopes (PT-MG) defendeu nesta quinta (4) a decisão de seu grupo de trabalho de retirar os caminhões do Imposto Seletivo – que incidirá sobre todos os outros veículos, inclusive carros elétricos.

“Atividade produtiva, gente. O Brasil é um país rodoviário, 85%”, disse Reginaldo durante entrevista coletiva transmitida ao vivo pela TV Câmara.

Os números da Secretaria Nacional de Trânsito e da CNT são mais modestos.

Uma publicação do Ministério dos Transportes de 2020 estimava que “cerca de 75% de todas as mercadorias que são movimentadas pelo território brasileiro utilizam o modal rodoviário”.

Já a CNT, em pesquisa publicada no fim de 2023, concluiu que o o transporte rodoviário é “responsável pelo deslocamento de 65% das cargas”.

Mais do que os números chama atenção a justificativa do deputado.

Os carros dos motoristas de aplicativo e as motocicletas dos entregadores também não servem para “atividade produtiva?”.

No projeto original entregue aos deputados por Haddad, os caminhões estavam no imposto seletivo. Se saíram de lá – uma das poucas mudanças no texto – é porque o lobby foi pesado.

Leia também:

Psol aciona Justiça por suspensão da lei que criou ‘censo do aborto’ em BH

MP denuncia famílias que adotaram homeschooling em cidade mineira

Justiça vê irregularidade em nomeação no interior de Minas e cita deputado em sentença

Acompanhe O Fator no Instagram

Veja os Stories em @OFatorOficial. Acesse