O que muda na Câmara de BH com a cassação de Wesley e Gordin da Galoucura

Entrada de suplentes pode alterar geografia do plenário da Casa
No lugar dos dois vereadores, entram os suplentes Preto (União) e Professora Nara (Rede).
No lugar dos dois vereadores, entram os suplentes Preto (União) e Professora Nara (Rede).

A cassação dos vereadores Wesley Moreira (PP) e César Gordin (Solidariedade) por decisão do TSE, na noite desta terça-feira (12), pode gerar uma mudança na geografia da Câmara Municipal de Belo Horizonte.

Tanto Wesley quanto Gordin eram membros da base do prefeito Fuad Noman (PSD) na Casa – Wesley por ser ligado à “família Aro”, e Gordin por ter boa relação com o Executivo.

No lugar dos dois vereadores, entram os suplentes Preto (União) e Professora Nara (Rede).

Há expectativa de que Preto integre a base de Fuad – quando foi vereador, entre 2009 e 2020, Preto chegou a ser líder de governo da gestão Marcio Lacerda, época em que Josué Valadão, hoje principal auxiliar político de Fuad, era secretário de Governo. Preto e Valadão ainda mantêm boa relação e, é bom pontuar, ele pretende ser candidato – e ter uma boa entrada no Executivo costuma ajudar a aparecer aos eleitores. A propósito, o ex-novo-vereador já atuou como assessor de Rodrigo Pacheco no Senado.

Já Professora Nara está nomeada como assessora no gabinete do presidente da Casa, Gabriel Azevedo (MDB). A informação fala por si, embora Nara, por questões partidárias, seja muito ligada ao ex-deputado Paulo Lamac, presidente estadual da Rede – e que tem boa relação com o prefeito Fuad.

Apesar das atenções do ano na Casa estarem voltadas para as eleições, ainda restam algumas sessões relevantes no plenário da Câmara.

Cassação

O TSE decidiu por unanimidade, por sete votos a zero, pela cassação da chapa do PROS – que acabou cassando os dois vereadores por consequência. Segundo a ação analisada na Corte, feita pelo ex-vereador Edmar Branco (PSB), a chapa montada pelo PROS contaria com candidatas “laranjas’’, colocadas com o objetivo de cumprir a cota de participantes femininas, e ligadas a assessores de Wesley.

Na peça inicial, Edmar Branco alegava que parte das candidaturas de mulheres do PROS à Câmara seriam falsas, com o intuito único de preencher a cota mínima da legislação eleitoral. O ex-vereador argumenta que boa parte das candidaturas supostamente fictícias seriam de pessoas ligadas a Wesley e assessores de seu gabinete.

É curioso notar que, no TRE-MG, a ação foi rejeitada por duas vezes.

Leia também:

MPF quer suspender atividades da Vale em empreendimento na Cava da Divisa

Presidente da Assembleia cobra apoio da União por liminar sobre dívida de Minas

Desembargador mantém competência de Belo Horizonte em recuperação judicial do Grupo Coteminas

Veja os Stories em @OFatorOficial. Acesse