Disputa interna faz Lula receber sondagem por retirada de tesoureira do PT do conselho de Itaipu

Alas petistas e do PV tentam retirar cargo de Gleide Andrade na empresa pública
Gleide foi reconduzida ao conselho de Itaipu em maio deste ano. Foto: Divulgação.

Membros da direção do PT e do PV em Brasília passaram a sondar o governo Lula para retirar a tesoureira nacional do PT, Gleide Andrade, do cargo no Conselho de Administração da Usina Hidrelétrica Itaipu Binacional.

Gleide foi reconduzida por Lula à cadeira do conselho no final de maio, mas recentes desentendimentos dentro da federação PT-PCdoB-PV geraram nova pressão contra a tesoureira. Um dos pontos considerados como retaliação seria a retirada do cargo na usina.

O Conselho de Administração de Itaipu se reúne a cada dois meses ou em convocação extraordinária. A remuneração mensal é de R$ 27 mil.

A mineira vem sendo alvo de críticas de correligionários por “mandar e desmandar”, sem um suposto critério técnico, na distribuição de recursos para candidatos a prefeito e vereador, como mostrou inicialmente o “Estado de Minas”. A informação foi confirmada por O Fator.

Nesta terça (25), outra polêmica atingiu Gleide. A “Folha de S. Paulo” publicou que a tesoureira teria atuado e exigido que a Juventude Nacional do partido publicasse uma nota com pedido de desculpas por um posicionamento crítico à direção do PT, feito na semana passada.

Pelo regimento da empresa pública, os conselheiros são supostamente independentes e tem mandato de quatro anos – podendo haver renovação ou substituição antecipada, conforme decisão governamental.

Em nota, o PV negou que qualquer filiado do partido esteja envolvido em pedidos contra a tesoureira do PT. Veja a nota na íntegra:

Nota de Esclarecimento

O Partido Verde de Minas Gerais, por meio do seu presidente Osvander Valadão, recebeu com estranheza a notícia publicada no O Fator nesta terça-feira, 25, de que membros da direção do Partido Verde, em Brasília, estariam se mobilizando para retirada da tesoureira nacional do PT, Gleide Andrade, de cargo a ela confiado pelo presidente Lula.

Como membro da Executiva Nacional do Partido Verde, o presidente dos Verdes MG reitera que não há, por parte do PV, tanto no âmbito nacional quanto no estadual, qualquer movimentação política que tenha como finalidade o exposto na matéria. “Não houve nenhuma iniciativa neste sentido, seja da parte dos(as) nossos(as) parlamentares, seja dos(as) dirigentes”, afirma Osvander Valadão.

“Temos um diálogo feito de forma madura e transparente com os demais partidos da Federação. De nossa parte, afirmo que não há qualquer desentendimento em relação à liderança que a companheira Gleide possui e representa no cenário político. Nossa atenção e sinergia estão voltadas unicamente para a construção de candidaturas competitivas para as eleições que se aproximam”, completou Osvander Valadão.

Leia também:

Psol aciona Justiça por suspensão da lei que criou ‘censo do aborto’ em BH

MP denuncia famílias que adotaram homeschooling em cidade mineira

Justiça vê irregularidade em nomeação no interior de Minas e cita deputado em sentença

Acompanhe O Fator no Instagram

Veja os Stories em @OFatorOficial. Acesse