O que explica o ‘momento de paz’ vivido na Câmara de BH

Após meses conturbados, Casa tem vivido dias sem tanta briga
Projeto visa facilitar a construção de empreendimentos imobiliários em Belo Horizonte. Foto: Abraão Bruck/CMBH
Vereadores aliviados com o momento da Casa. Foto: Abraão Bruck/CMBH

Após meses conturbados e de guerra intensa no plenário e nos bastidores, o clima de paz que vive a Câmara de Belo Horizonte nos últimos dois meses tem chamado a atenção de interlocutores.

Entre o meio de 2023 e o início de 2024, a Casa acumulou polêmicas envolvendo o presidente, Gabriel Azevedo (MDB), membros da chamada Família Aro e também com o prefeito Fuad Noman (PSD) e seus secretários. Passaram, por ali, pedidos de impeachment, de cassação e ofensas mútuas.

O Fator apurou que o clima de paz é resultado não só da chegada do período pré-eleitoral, que ocupa a cabeça dos parlamentares, mas também por conta de uma reunião, ocorrida em março, em que nomes de peso do mercado e da política mineira pediram que o fogo na Casa abaixasse “para o bem de todos”.

“Discussão e embate ideológico nos microfones do plenário são normais, vão ocorrer porque são do jogo, mas a disputa nos bastidores de fato reduziu. Ainda bem”, conta um vereador em anonimato, aliviado

Leia também:

Psol aciona Justiça por suspensão da lei que criou ‘censo do aborto’ em BH

MP denuncia famílias que adotaram homeschooling em cidade mineira

Justiça vê irregularidade em nomeação no interior de Minas e cita deputado em sentença

Acompanhe O Fator no Instagram

Veja os Stories em @OFatorOficial. Acesse