Bolsonaro não precisou de exposição de motivos para libertar Daniel Silveira

Ao contrário do que sugeriu em Copacabana, Bolsonaro já assinou decreto antes de parecer jurídico
Jair Bolsonaro e Silas Malafaia em comício em Copacabana
Bolsonaro e Malafaia em Copacabana: conversa para gado dormir. Foto: Divulgação/Silas Malafaia/Twitter

O colecionador de joias Jair Bolsonaro inventou mais uma desculpa esfarrapada na manifestação em Copacabana neste domingo (21).

“Eu não posso ou não poderia sonhar em mandar uma minuta de estado de sítio para o Congresso sem a exposição de motivos, no plural. Cadê a exposição desses motivos?”, disse o homem cujo advogado guardava o Queiroz em casa.

Trata-se de conversa para gado dormir.

Eu mesmo revelei, em 2022 – antes do Estadão – que Bolsonaro editou o indulto a Daniel Silveira antes de o parecer jurídico ser assinado.

Como se lembram os jornalistas que trabalharam naquele feriado de Tiradentes, o texto com a graça (indulto individual) ao então deputado Silveira foi publicado no Diário Oficial no fim da tarde.

O próprio Bolsonaro publicou o texto do decreto no Twitter às 18h59.

No entanto, documentos que obtive via Lei de Acesso à Informação mostram que o parecer da Subchefia para Assuntos Jurídicos da Secretaria-Geral da Presidência só foi assinado depois das 22h50, quando o decreto já estava publicado.

Para cometer golpe, Bolsonaro está mais do que disposto a comer cru. Não é opinião, é antecedente.

Leia também:

Fávaro vai à Câmara explicar fiasco no leilão de arroz

Cassinos voltam à mesa da CCJ do Senado

Justiça suspende atividades de mineradora na Serra do Curral em Belo Horizonte

Veja os Stories em @OFatorOficial. Acesse