MDB entra na disputa pela vaga de vice na chapa de Marília em Contagem

Partido tenta emplacar vereador no posto, mas terá de lidar com outros candidatos

Embora sinalize apoio à reeleição da prefeita de Contagem, Marília Campos (PT), o MDB fará um pedido: quer, assim como em 2020, indicar o candidato a vice-prefeito. A escolha deste ano deve ser o vereador Teteco, que hoje é líder do governo Marília na Câmara Municipal. Pelo que apurou O Fator, a reivindicação será comunicada aos petistas pelo presidente do MDB mineiro, o deputado federal Newton Cardoso Júnior.

Apesar de o pleito do MDB já seja conhecido por figuras que participam do meio político de Contagem, Teteco poderia, na verdade, se tornar o terceiro nome na disputa pelo posto de candidato a vice. A vaga é disputada pelo atual ocupante do cargo, o ex-emedebista Ricardo Faria — hoje no PSD —, e por Jorge Periquito (União Brasil), ex-assessor do presidente do Senado Federal, Rodrigo Pacheco (PSD-MG).

Teteco está em seu sétimo mandato como vereador e é tido como um parlamentar de boa interlocução com os colegas. Ele já presidiu o legislativo municipal da cidade da Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH) em três ocasiões.

Por ora, Teteco se prepara para passar o bastão na Câmara Municipal para a filha, a advogada Carolina Carvalho Diniz. Ela é secretária-geral do MDB estadual e, há dois anos, seu pai vem trabalhando para lhe entregar um assento no Parlamento contagense.

Nos corredores da Câmara Municipal, há dois discursos como parte de uma única estratégia: Teteco desconversa sobre a intenção de ser vice e diz que se dedicará à eleição de sua filha. Paralelamente, alinha com o presidente estadual do MDB, a indicação para ser o companheiro de chapa da Marília.

Na visão de um vereador ouvido sob reservas pela reportagem, a indefinição confirma a disposição de Teteco para ser o vice. “Quem não quer, fecha a tampa do vaso e sai”, afirmou o interlocutor.

Tentamos contato com o presidente estadual do MDB, Newton Jr., que não encaminhou seu posicionamento. O espaço segue em aberto para registrar sua posição.

Os outros “vices”

Com uma gestão bem avaliada e com todas principais pesquisas apontando grandes chances de reeleição, o vice de Marília, pode ser tornar, em dois anos, o prefeito de Contagem.

Isso porque a prefeita se destacou nos últimos anos como uma das principais lideranças do PT de Minas. Na conjuntura atual, a petista figura como possível candidata ao Senado ou ao Governo de Minas. Ela, inclusive, dialoga com Pacheco, também tido como potencial postulante ao Palácio Tiradentes.

Pacheco já apontou que uma eventual parceria entre eles passaria pela indicação do vice da prefeita de Contagem em sua reeleição. Periquito ainda preside o diretório do União Brasil na cidade, legenda que abriga o presidente da Câmara Municipal, Alex Chiodi.

Se dependesse exclusivamente da composição local, Marília manteria tudo como está. Ex-vereador de Contagem, ex-deputado estadual e ex-secretário de Estado de Turismo, Ricardo Faria tem boa interlocução com o meio político da cidade.

Nos bastidores, Faria tenta, com a ajuda do ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, conseguir as bênçãos de Pacheco para continuar como vice. Já Periquito vem reunindo lideranças da cidade e participou ativamente da montagem das chapas de vereador dos partidos da base da prefeita Marília Campos.

Leia também:

Psol aciona Justiça por suspensão da lei que criou ‘censo do aborto’ em BH

MP denuncia famílias que adotaram homeschooling em cidade mineira

Justiça vê irregularidade em nomeação no interior de Minas e cita deputado em sentença

Acompanhe O Fator no Instagram

Veja os Stories em @OFatorOficial. Acesse