MDB presta solidariedade a deputado mineiro condenado por corrupção e confia em reversão de sentença

Partido se posicionou após sentença desfavorável a João Magalhães, líder do governo Zema na ALMG
O deputado estadual João Magalhães, do MDB
Direção do MDB prestou apoio a João Magalhães. Foto: Willian Dias/ALMG

O diretório do MDB em Minas Gerais divulgou, nesta quarta-feira (19), um texto manifestando apoio ao deputado estadual emedebista João Magalhães, condenado por corrupção e lavagem de dinheiro na primeira instância de um processo que tramita na Justiça Federal. Na nota, assinada pelo presidente do MDB mineiro, o deputado federal Newton Cardoso Júnior, o partido diz confiar que Magalhães conseguirá provar a inocência ante o Judiciário.

Líder do governo de Romeu Zema (Novo) na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), Magalhães foi condenado a 11 anos e oito meses de prisão. A sentença determina, ainda, a perda do mandato exercido por ele. Apesar da decisão, as penas ainda não foram executadas, porque a condenação não é definitiva. A ação só será encerrada após o trânsito em julgado, em que há o esgotamento de todas as instâncias recursais.

“Diante das notícias envolvendo o deputado João Magalhães, filiado ao MDB e membro diretivo da entidade partidária, o partido reitera os apontamentos feitos pelo deputado no sentido de que a decisão judicial ainda se encontra em debate e que os fatos apurados, referentes ao longínquo ano de 2007, ainda poderão ser objeto de longo debate nas instâncias superiores, onde será oportunizado ao deputado a demonstração da ausência de qualquer envolvimento nas acusações”, lê-se em trecho da nota assinada por Newton Júnior.

“O MDB manifesta sua total crença no poder judiciário e no princípio da presunção de inocência, que é base para a construção de uma sociedade democrática”, completa o presidente da legenda.

Entenda o caso

A denúncia contra João Magalhães foi apresentada pelo Ministério Público Federal (MPF) a reboque da Operação João de Barro, deflagrada em 2008, quando o político era deputado federal. O emedebista é acusado de participar de esquema de cobrança de propina a prefeitos para garantir a execução de emendas parlamentares destinadas a municípios mineiros.

Nessa terça-feira (18), Magalhães negou as irregularidades e chamou as acusações de “infundadas”. A decisão judicial contra o parlamentar é subscrita pela magistrada federal  Gabriela Lipienski.

A sentença ainda condena, a 11 anos e seis meses de prisão, um prefeito apontado como parte da ilicitude e que teria recebido R$ 38 mil como compensação pelo recebimento de emendas a seu município.

Uma outra ré, apontada como “assessora informal” de Magalhães, também foi condenada a perda de mandato eletivo. Segundo os autos do processo, a mulher, após o recebimento dos recursos indevidos, “imediatamente repassava os valores para contas de pessoas da intimidade do então deputado federal, de forma a ocultar a natureza, origem, movimentação e propriedade do numerário”.

Acusado fala em ‘tranquilidade’

Após a sentença da Justiça Federal se tornar pública, João Magalhães emitiu comunicado em que afirmou ter recebido com “tranquilidade” a decisão da magistrada.

“Sigo tranquilo com minha conduta e com a  integridade de meus atos durante toda a minha vida pública. De 1996 a 2015, período em que exerci mandatos como deputado federal, não foi diferente Todas as medidas legais cabíveis estão sendo tomadas para que este assunto seja esclarecido e foco minhas energias na atuação em favor de Minas como deputado estadual e líder de governo”, apontou.

O secretário de Estado de Governo de Minas Gerais, Gustavo Valadares, do PMN, foi outro a prestar solidariedade ao parlamentar.

Leia também:

Psol aciona Justiça por suspensão da lei que criou ‘censo do aborto’ em BH

MP denuncia famílias que adotaram homeschooling em cidade mineira

Justiça vê irregularidade em nomeação no interior de Minas e cita deputado em sentença

Acompanhe O Fator no Instagram

Veja os Stories em @OFatorOficial. Acesse