Cade vai avaliar concentração de mercados da Vale no transporte ferroviário mineiro

Três empresas operam nas ferrovias mineiras; A Vale é dona de uma e sócia das outras duas
Foto: Divulgação da Vale

Uma possível concentração de mercado pela Vale S.A, na exploração da malha ferroviária mineira, será avaliada pelo Conselho de Administrativo de Defesa Econômica (Cade). O pedido de análise foi feito pela deputada estadual Ione Pinheiro (União Brasil), e foi aprovado pela Comissão de Transporte Comunicação e Obras Públicas da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG).

Minas Gerais tem 10.507 km de ferrovias, e apenas três empresas têm concessão para operar sobre elas: a Ferrovia Centro-Atlântica (FCA-VLI), que opera em cerca 74,77% de toda a malha ferroviária, a MRS Logística S.A. (MRS), que atua sobre outros 16,71% e a Estrada de Ferro Vitória a Minas (EFVM), em 8,50%.

O suposto domínio de mercado seria na participação acionária da Vale na FCA-VLI e na MRS. A Estrada de Ferro de Vitória a Minas (EFVM) é operada diretamente pela mineradora.

A Ferrovia Centro Atlântica nasceu de um ajuntamento de empresas da própria Vale, que a desmembrou para ser uma empresa logística independente. Esse movimento começou em 1996, durante a onda de privatização de empresas estatais empreendida pelo governo Fernando Henrique Cardoso (PSDB) — que resultou na desestatização da própria Vale.

A criação da FCA atenderia o escoamento e o transporte da extração de minério para portos e outros entrepostos. Fundaram a empresa e abriram seu capital, conseguindo o aporte de outros investidores. Nasce assim a FCA-VLI.

Atualmente a Vale detém 29,6% da base acionária da FCA-VLI. Esse percentual já foi de 37,6%, em 2020; a Brookfield (fundo de investimentos canadense) tem outros 26,5% e a Mitsui & Co (grupo japonês de investimentos) 20%.

Já sobre a MRS, a influência da Vale é tanto direta quanto indireta.

Ela participa nominalmente do conselho da empresa, com 10,96 % das suas ações ordinárias. Mas a Vale também é a acionista controladora da Minerações Brasileiras Reunidas (MBR), mineradora que detém 33,13 % das ações da MRS. Ela ainda possui ações de uma terceira empresa do quadro acionário da MRS, a Rail Investments Inc., que reúne 7,83% do capital votante.

Concentração desfavorece outras cadeias econômicas

Conversamos com técnicos e especialistas ligados à Secretaria de Estado de Infraestrutura e Mobilidade de Minas Gerais (Seinfra), que, sob sigilo, apontaram que essa concentração de mercado acaba sobrepondo os interesses de um único segmento econômico sobre os demais — o que desarticularia cadeias econômicas inteiras. “Ao longo dos anos criou-se o mito de que apenas o transporte de minério e de soja são viáveis por meio das ferrovias. Em nenhum outro lugar mundo isso acontece”.

Em resposta a O Fator, a deputada Ione Pinheiro lembrou que duas dessas três empresas, a MRS e a EFVM, tiveram sua concessão renovada, e, em sua avaliação, de forma injusta para o estado. “Nós temos relatórios da própria Casa [ALMG], que registram a queixa de outros setores na dificuldade de acessar e compartilhar essas ferrovias. Quando se fala do compartilhamento das ferrovias para o transporte público vira quase uma guerra”.

Fizemos contato com a Vale, que disse por meio da sua assessoria que não se manifestaria sobre o caso.

Leia também:

Psol aciona Justiça por suspensão da lei que criou ‘censo do aborto’ em BH

MP denuncia famílias que adotaram homeschooling em cidade mineira

Justiça vê irregularidade em nomeação no interior de Minas e cita deputado em sentença

Acompanhe O Fator no Instagram

Veja os Stories em @OFatorOficial. Acesse