Acusado de agredir ex-mulher, ex-presidente da Câmara de BH ‘manda’ no Partido da Mulher Brasileira da capital

Ex-assessor parlamentar de Magalhães preside diretório municipal do partido
Wellington Magalhães presidiu a Câmara de BH entre 2015 e 2017. Foto: Divulgação/CMBH
Wellington Magalhães presidiu a Câmara de BH entre 2015 e 2017. Foto: Divulgação/CMBH

Denunciado pela ex-mulher por agressão, o ex-presidente da Câmara Municipal de Belo Horizonte, Wellington Magalhães, é considerado o “dono” do diretório municipal do Partido da Mulher Brasileira (PMB) na capital.

O partido tem como presidente municipal um ex-assessor parlamentar de Wellington Magalhães, o empresário Wellington Luiz da Conceição, também conhecido como “Tãozinho”.

No cargo, Tãozinho é o encarregado por efetuar as articulações e montar a chapa de candidatos à Câmara de BH – sob coordenação, claro, de Magalhães. A principal pré-candidatura da legenda é, por coincidência, a da ex-deputada estadual Arlete Magalhães, irmã de Wellington.

A propósito, o diretório do PMB em BH não tem nenhuma mulher nos cargos de direção – tanto a presidência, quanto a vice e a tesouraria são ocupadas por homens.

A denúncia feita pela ex-mulher de Magalhães foi publicada pela ‘TV Record’. Segundo a empresária Kelly Maciel Pinto, o ex-vereador teria a agredido em abril deste ano.

Magalhães nega a agressão. Veja, na íntegra, a nota enviada pela defesa do ex-vereador à imprensa:

WELLINGTON GONÇALVES DE MAGALHÃES, através da sua advogada, Dra. Micheline Abreu Peixoto, esclarece que, após ser procurado pela Rede Record de Televisão sobre a veiculação de entrevista gravada pela sua ex-mulher a Sra. Kelly Jaqueline Maciel, da qual aborda questões processuais que correm sob sigilo judicial, manifesta sua imensa tristeza em tornar público fatos que envolvem sua vida particular e, em via de consequência, sua exposição e de seus filhos, ainda menores.

O ex-casal está divorciado há quase 6 (seis) anos sem qualquer desgaste pessoal entre ambos, tendo em vista que todas as decisões judiciais já proferidas vem sendo cumpridas e não compreende a sua postura em divulgar fatos, inclusive lhe imputando falsas acusações.

Entende-se que tal postura tem o intuito de, além da tentativa em denegrir a sua imagem, usa de subterfúgio para tentar alterar questões judiciais que já não cabem mais recursos.

Ressalta-se que, diferentemente da Sra. Kelly, não adentrará aos fatos para preservar sua imagem e, principalmente, de seus filhos.

Ademais, relata que vem sofrendo ataques injuriosos, difamatórios e ameaçadores, via redes sociais, promovidos pela a Sra. Kelly e seu atual companheiro e que já estão sendo tomadas todas as medidas processuais cabíveis.

Belo Horizonte/MG, 27 de junho de 2024.

Micheline S. de Abreu Peixoto
OAB-MG 125.002″

Leia também:

Psol aciona Justiça por suspensão da lei que criou ‘censo do aborto’ em BH

MP denuncia famílias que adotaram homeschooling em cidade mineira

Justiça vê irregularidade em nomeação no interior de Minas e cita deputado em sentença

Acompanhe O Fator no Instagram

Veja os Stories em @OFatorOficial. Acesse