Pacheco e Zema vão se reunir nesta quarta (26) para debater renegociação da dívida de Minas

Presidente do Congresso vai apresentar, ao governador mineiro, projeto construído para amortizar passivos estaduais junto à União
Montagem sobre fotos de Romeu Zema e Rodrigo Pacheco
Pacheco e Zema vão se reunir nesta quarta-feira. Fotos: Senado e ALMG/Divulgação

O presidente do Congresso Nacional, senador Rodrigo Pacheco (PSD-MG), e o governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), vão se reunir nesta quarta-feira (26) para debater o projeto de lei complementar (PLC) apresentado por Pacheco para renegociar as dívidas contraídas por estados junto à União. O encontro vai acontecer em Brasília (DF).

Zema será o primeiro governador a ouvir, de Pacheco, os detalhes a respeito do plano de refinanciamento dos débitos estaduais. Minas Gerais deve cerca de R$ 165 bilhões ao governo federal. A viagem do governador mineiro à capital federal para se encontrar com o senador foi confirmada a O Fator pela equipe do Palácio Tiradentes. Técnicos da Fazenda mineira também devem se reunir com assessores do Senado a fim de fazer os últimos ajustes no texto.

Nesta terça-feira (25), Pacheco disse que o Ministério da Fazenda acatou os termos de sua proposta de amortização da dívida. O principal eixo do pacote de medidas é a federalização de ativos estaduais.

A ideia é que o repasse dos bens sirva como primeiro passo para diminuir as dívidas. No caso mineiro, Pacheco chegou a calcular que a Companhia de Desenvolvimento de Minas Gerais (Codemig), a Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa) e a Companhia Energética Minas Gerais (Cemig) valem, juntas, R$ 80 bilhões. Portanto, nesse cenário em caso de repasse das três empresas à União, a dívida estadual seria diminuída em quase 50%.

Assim, após a federalização, haveria desconto de 50% nos R$ 80 bilhões do saldo devedor remanescente. Portanto, o débito mineiro cairia para cerca de R$ 40 bilhões. Agora, segundo apurou a reportagem, os números envolvidos nessa equação passarão por uma auditoria.

Como já mostrou a reportagem, Pacheco tenta acelerar a aprovação do PLC no Senado Federal. Se a estratégia for bem-sucedida, há chances de o texto chegar à Câmara dos Deputados antes mesmo do recesso parlamentar de meio de ano.

Indexador da dívida preocupa

Pacheco defende, ainda, a mudança do indexador da dívida. Hoje, os valores dos débitos estaduais junto ao governo federal são calculados por uma equação que considera o  Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) mais 4% ao ano. A Selic, taxa básica de juros, pode substituir o IPCA na fórmula. Em 2023, o índice foi de 4,72%.

“Uma redução muito significativa dos juros, a título de prêmio pela entrega de ativos pelos estados, e a possibilidade de conversão de juros em investimentos no próprio Estado. Ou seja: em vez de se pagar juros para a União, o estado endividado se compromete com investimentos no seu próprio estado como contrapartida da redução do indexador”, pregou o presidente do Congresso.

Leia também:

MPF quer suspender atividades da Vale em empreendimento na Cava da Divisa

Presidente da Assembleia cobra apoio da União por liminar sobre dívida de Minas

Desembargador mantém competência de Belo Horizonte em recuperação judicial do Grupo Coteminas

Veja os Stories em @OFatorOficial. Acesse