Pacheco e Tadeu Leite alinham tramitação de projetos para renegociar dívida de Minas

Presidente do Congresso e chefe da Assembleia Legislativa vão se reunir nesta quinta-feira (27), em BH
Tadeu Martins Leite e Rodrigo Pacheco são fotografados durante reunião.
Tadeu Leite e Pacheco têm dialogado em prol de proposta para reduzir dívida de MG. Foto: Geraldo Magela/Agência Senado

O presidente do Congresso Nacional, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), e o presidente da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), Tadeu Martins Leite (MDB), vão se reunir nesta quinta-feira (27), em Belo Horizonte, para alinhar o início da tramitação de projetos de lei ligados ao refinanciamento da dívida de Minas Gerais com a União – superior a R$ 160 bilhões.

Em Brasília (DF) o Congresso Nacional começará a analisar um projeto de Pacheco que propõe, por exemplo, a federalização de ativos estaduais, como as estatais, para abater parte das dúvidas locais. A ALMG, por sua vez, segundo apurou O Fator, colocará em tramitação um arcabouço para autorizar o governo de Minas a repassar o controle empresas públicas locais à União.

A ideia de Pacheco é concluir, antes do recesso de meio de ano, a tramitação, no Senado, do projeto federal, batizado de Pleno Pagamento de Dívidas dos Estados Junto à União (Propag). Depois, o texto terá de ser analisado pelos deputados estaduais.

Regra de transição

Como já mostrou O Fator, o Propag terá uma regra de transição para que estados que aderirem ao plano possam pagar parcelas menores de suas dívidas no início da vigência das medidas de refinanciamento.

Nessa quarta-feira (26), durante reunião com o presidente do Congresso, integrantes da equipe do governador Romeu Zema (Novo) sugerirarm ingressar, simultaneamente, no Propag e no Regime de Recuperação Fiscal (RRF), que já foi alvo de críticas públicas de Pacheco por, na avaliação do senador, causar prejuízos ao funcionalismo, causar desinvestimentos em políticas públicas e, a longo prazo, não diminuir o estoque da dívida.

A regra de transição, portanto, serviria para que, após o recálculo da dívida, o estado pudesse ingressar no Propag com as parcelas iniciais sendo menores — assim, não haveria a necessidade de adesão ao RRF. Pacheco, vale lembrar; está em BH acompanhando uma visita da comitiva do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) a Minas.

Leia também:

Psol aciona Justiça por suspensão da lei que criou ‘censo do aborto’ em BH

MP denuncia famílias que adotaram homeschooling em cidade mineira

Justiça vê irregularidade em nomeação no interior de Minas e cita deputado em sentença

Acompanhe O Fator no Instagram

Veja os Stories em @OFatorOficial. Acesse